18.9.11

Oi, meninas queria explicar antes demais o porque de não ter postado antes e espero que compreendam ou que façam um esforço por compreender. O meu curso voltou a começar à 2 semanas. E admito têm sido 2 semanas bastante difíceis, e para compreenderem o grau de dificuldade à dias em que durmo 3h/3h:30 no máximo para conseguir ter os trabalhos prontos. E dito isto não me sobra muito tempo para vir aqui ou sequer para escrever. Mas eu ontem até era para ter postado mas aconteceu um inconveniente. O ficheiro onde tinha escritos já alguns capítulos da fic deu erro aos abrir, portanto perdi tudo ou o pouco que tinha, então aproveitei o tempo livre de ontem para escrever e deixar-vos algo aqui hoje. Para a semana vai ser mais um semana atribulada espero que compreendam, que se não posto é porque não posso mesmo e não porque não quero. Porque se algum dia eu não quiser ou pretender abandonar a fic os meus leitores serão os primeiros a saber. Peço as mais sinceras desculpas. E espero que gostem do capítulo, foi o melhor que consegui fazer.

 


 

Vi o Benfica dar 2-0 ao Nacional da Madeira na Choupana. Apesar de que o "ver" em si foi bastante complicado, com aquele tempo terrível.

Os filhos do Pablo vinham passar 1 semana connosco, e basicamente eu teria que ficar com eles quando o Pablo tivesse treinos. Não que eles ainda não estivessem habituados a mim, porque até estavam! E bastante até! Mas ia ser a primeira vez que ia estar com eles, sem o Pablo por perto. No que é que isso me fazia pensar? Bem, 1º oportunidade de demonstrares a mãe que vais ser!

Vesti uma roupa simples e prática. Um top azul com uns jeans, uns botins, cabelo ao natural e estava óptimo.

 

 

Saí com o Pablo, passamos por casa da Ana para trazer-mos os 3 pequenos e acabamos por ir passear pelo Bairro Alto. Ainda me incomodavam os fotógrafos, podiam dar um pouco + de privacidade as pessoas, mas não por este andar iríamos parar numa revista cor-de-rosa qualquer. De tarde o Pablo seguiu para o treino e eu fiquei sozinha pela primeira vez com os pequenos. A minha primeira ideia foi o que fazer para entreter 3 crianças. Mas depois percebi que não ia ser muito difícil, eram super queridos e bastante calmos. Acabei por fazer um lanche para todos enquanto víamos tv. Se naquele momento pudesse descrever a imagem numa fotografia, apareceríamos nós, eu no meio com a pequena Juani no colo a Sara encostada ao meu ombro e o Agustín sentado no chão perto dos meus pés. Rodeada de crianças, era a minha descrição. Estes momentos faziam-me pensar no nosso filho que se não tivesse morrido estaria aqui também mas eu já tinha aprendido a aceitar o sucedido e o sorriso no rosto dos 3 pequenos fazia com que essas ideias desaparecessem do meu pensamento.

-Que es eso?-perguntou a pequena Sara apontando para a minha guitarra que estava a um canto na sala.

-És una guitarra pequeña!

Ela sorriu -La sabes tocar?

-Que puedes tocar para nosotros?-perguntou o Agustín curioso.

-Claro!- disse sorrindo.

Sentei a pequena Juani no sofa, e levantei-me. O Agustin também subiu para o sofá e um puxei o puff para a frente do sofá, onde me sentei com a guitarra no meu colo.

Canções para crianças não eram comigo, mas eles estavam tão fascinados com a guitarra que tocasse o que quer que fosse eles adoravam. Então acabei por tocar oasis, que era uma coisa que podia tocar facilmente na guitarra.

"And so Sally can't wait,

She knows it's too late

as we're walking on by

my soul slide's away

but don't look back in anger

I've heard you say..."

E assim se passou uma tarde. O Pablo chegou do treino e foi tomar um duche. Hoje íamos jantar fora e levávamos os pequeninos connosco. O Pablo adorava mostrar sempre um pouquinho da cultura Argentina aos pequenos já que passavam a maior parte do tempo em Portugal, então acabaríamos por ir a um restaurante com influencias Argentinas, inspirado em Buenos Aires que ficava nos arredores de Lisboa.

 

 

Optei por um look arrojado ainda que simples, uma saia com padrão, um top champanhe um blazer branco com uns Loubotin bege e um clutch que completava o look. Cabelo ao natural um pouco de maquilhagem e estava pronta.

O jantar decorreu as mil maravilhas a comida era maravilhosa, a música ambiente ainda mais, se não soubesse que estava em Lisboa era capaz de jurar que estava em pleno restaurante no meio de Buenos Aires.

Claro que não saímos sem que o Pablo distribuísse um pouco de autógrafos pelas pessoas no restaurante que o reconheceram assim que pussemos os pés lá dentro, mas tudo bastante calmamente e atencioso como só ele sabia ser.

Acabamos por chegar um pouco cansados a casa e por cair directamente na cama. Os pequenos já estavam deitados, e nos acabamos por nos deitar logo de seguida, mas assim que me preparava para desligar a luz, vi 3 pequenos vultos envergonhadamente espreitarem pela porta do quarto.

-Chiquitos? - perguntei.

Eles sorrateiramente abriram a porta e entraram escondendo-se uns atrás dos outros envergonhados.

-Papi podemos quedarnos aquí?- perguntou a Sara timidamente mas de uma forma incontrolavelmente adorável.

O Pablo olhou para mim, e um sorriso apareceu no meu rosto, acenei-lhe que sim, e ele abriu os lençóis da cama para que os pequenos entrassem.

Deitaram-se os 3 entre nos os dois, e não tardaram a adormecer no nosso meio. Era adorável ver aqueles 3 pequenos super adoráveis, adormecerem em paz ali. O meu olhar cruzou o do Pablo, conseguia ver o brilho no olhar dele. Eram os seus 3 pequenotes, e sabia que ele estava orgulhoso de mim, sabia que ele conseguia ver em mim a excelente mãe que eu conseguiria ser.

 

tags:
sinto-me: :3
música: Noel Gallgher - If I had a gun
link do postPor pablitoaimar, às 18:47  ver comentários (7) comentar

3.9.11

6Era o último dia na Argentina. Tinha adorado a estadia, os pais do Pablo, Rio IV, mas pessoas. Era tudo um pouco diferente mas conseguia imaginar-me a morar ali o resto da minha vida. Despedimo-nos cedo e deixamos para trás 3 dias maravilhosos na argentina. Seguimos mais cedo para Córdoba… Ainda teríamos tempo para ver uns museus que me andavam a fascinar a algum tempo na província. Apanhamos o avião para Lisboa às 16h (Argentina) com as 6 horas de voo mais a diferença do fuso horário chegamos a Lisboa à 1 da manha. Estávamos ambos bastante cansados da viagem, tomamos um banho assim que chegamos ao apartamento e acabamos por cair os dois na cama, os seus braços envolveram o meu corpo puxando-o contra o seu. O meu rosto, encostou-se ao seu peito, as suas mãos subiram para afagarem os meus cabelos. O bater do seu coração estabilizou, a sua respiração estava agora pesada, ele tinha adormecido, e uns segundos depois até eu me deixei abater pelo cansaço que era mais forte que nós. (…) Acordei, e tentei sair da cama sem acordar o Pablo mas foi em vão. Passei uma mão sobre o seu rosto, enquanto os seus olhos lutavam contra a luz presente no quarto. -Dorme cariño! – disse-lhe dando-lhe um leve beijo nos lábios. Ele voltou-se na cama e voltou a adormecer. Optei por um look mais casual, t-shirt, calções de cinta subida, com os meus Jeffrey Campbell pretos, uma mala, cabelo liso, um pouco de maquilhagem e saí depois de uma torrada para enganar o estômago.

 

 

 

 

Tinha que passar no estádio hoje. O LFV tinha ligado, queria saber até que ponto eu estava disponível para fazer um design de um kit away para a equipa de futsal feminino, e eu como obvio para o clube do meu coração estava sempre disponível para todo. Acabei por encontrar o Rúben quando entrei na garagem. E a conversa que andava para ter com ele à muito ia ser ali e agora. Não podia deixar escapar isto.

-Rúben! – chamei assim que ele passou, pois ele ia de costas e não tinha dado por mim.

-Jane. – respondeu virando-se para trás com um sorriso e vindo na minha direcção. –Então por aqui?

-Sím… kits para futsal… - sorri.

-Equipamentos é contigo. Se não fosse nunca tinha falado ao nosso presidente de ti.

-Ai é? Obrigadinho então! – disse ironicamente.

-Adorava ficar aqui à conversa mas tenho que ir, e tu também deves ter que ir tratar das meninas do futsal ou das roupitas delas… - riu.

-Rúben! Não me parece que vás a lado nenhum! – disse num tom de voz sério e autoritário!

-Huh? – perguntou confuso.

-Precisamos de falar! – disse-lhe directamente. Ele continuou a olhar-me confuso à espera de uma resposta. – Vais me dizer o que se passa e é agora! Sabes que odeio meter-me na tua vida, mas assim deixas-me preocupada caramba! Rúben, que raio de passa, com o “não aparecer ao aniversário do teu melhor amigo” com o “vou a Londres resolver umas coisas” ficas-te em me explicar tudo e ate agora nada! Vais deixar a luz é isso? – perguntei preocupada.

- Não… - sorriu, libertando-se agora da sua confusão. –Eu conto mas tens que me prometer que isto fica só entre nós os dois.

-Prometo, sabes bem que podes me contar Rúben.

-Jane… quando digo todos, refiro-me à Sara e ao Pablo também! Nada de nada, pelo menos por agora. Olhei-o confusa mas acenei que sim com a cabeça.

-Eu e o David andamos a preparar uma surpresa a 2 meses, e aviam uns assuntos relativos à surpresa que tinham de ser tratados, mas o David não podia faltar ao aniversário dele para tratar deles caso contrário dava muito nas vistas, então tratei eu. E foi aí que ele me pediu ajuda e eu entrei nisto. E quando foi a Londres também foi para o ajudar. – disse-me.

 -Surpresa? Mas que surpresa?

- O David vai pedir a Pipa em casamento! – disse-me sorridente. – E eu… vou pedir a Maria! – disse completamente empolgado como se de um miúdo, numa loja de guloseimas, se tratasse. Eu fiquei em choque primeiro, mas depois deixei, automaticamente, transparecer um sorriso no meu rosto.

-Casamento Duplo! – ambos disse-mos e acabamos por rir.

-Sim…se ambas disserem que sim! – disse-me.

-Oh meu deus isso é fantástico Rúben! – disse-lhe.

– Muito bem pensado meninos. Espero que sejam felizes e de certeza que ambas vão dizer que sim, elas adoram-vos… Não, elas amam-vos. Ele sorriu, deu-me um beijo ao qual eu retribui com um abraço forte.

 -Vai lá tratar dos kits, e por favor não contes nada a ninguém. –pediu-me seriamente.

 -Podes confiar! – descancei-o…

Ele virou costas, mas voltei a chama-lo e ele voltou-se rapidamente para mim outra vez. – Posso só contar ao Pablo… ele vai adorar e ele não conta a ninguém sabes como é o Pablo… Por favor? – pedi dando-lhe os irresistíveis “puppy eyes”.

-Sim! – sorriu e seguiu.

tags:
sinto-me: :3
música: crystal castles - not in love
link do postPor pablitoaimar, às 00:04  ver comentários (6) comentar

mais sobre mim
●▲■▼
chat
ⓐⓘⓜⓐⓡ
Image and video hosting by TinyPic
Image and video hosting by TinyPic
Image and video hosting by TinyPic
Image and video hosting by TinyPic
Image and video hosting by TinyPic