29.12.10

39

 


Depois do almoço maravilhoso, ele levou-nos de volta ao apartamento dele. Decidi sentar-me na varanda para apreciar aquela magnifica vista sobre a cidade. Sabia tão bem ficar ali e apreciar aquela vista e as recordações que aquele lugar me traziam. Foi ali que o Pablo me trouxe pela primeira vez para ver a cidade. Foi ali que nos beijamos pela primeira vez. E só de pensar nisso um sorriso se formou no meu rosto.
Quando ele voltou para a minha beira para me fazer companhia na varanda, trazia com ele uma taça cheia de morangos e outra cheia de chocolate derretido, o que imediatamente, me fez água na boca. Eu adorava morangos com chocolate. Levantei-me para ele se sentar na cadeira e eu sentei-me no colo dele. Pousamos as taças no beiral da varanda para nos deliciarmos.
-¿Que puedes comer eso? – perguntei, com os olhos postos nos morangos.
Ele sorriu. –Sí, un poquito. Pero eres para ti. – disse dando-me um breve beijo no rosto.
-¿Para mi?¿Eso tudo? Voy quedarme una gorda! – afirmei ainda morrendo de vontade de os comer todos.
-Que te quedavas guapissima gordita! – disse-me o que me fez olhar para ele incrédula.
-No Pablo… Que me vas ayudar a comerlos todos! – disse retirando um morango da taça, molhando-o um pouco sobre o chocolate e levando-o à sua boca.
Fiz exactamente o mesmo para mim e deliciei-me a saborear aquele morango. Eu adorava aquilo e no entanto não me conseguia lembrar da última vez que tinha comido algo assim.
Peguei noutro morango para lhe dar, mas sem chocolate e quando me virei para ele, ele riu.
-¿QUE? – perguntei séria.
-Que tienes chocolate en la cara.
-¿Doende? – perguntei tentando limpar algures sem que ficasse pior.
Ele tirou-me a mão da cara e aproximou o rosto dele. Ao qual senti os seus lábios e língua na minha bochecha direita.
-Pronto!
Ri-me. –Pablo, Pablo… Que no te aprometas de los morangos para me dares besitos. – meti-me com ele.
-¿Yo? No nunca! Yo te do besos cuando yo quiero!
-Si? – perguntei apesar de já saber a resposta.
Mas a resposta não veio. Vieram apenas os seus lábios quentes à procura dos meus, que cederam numa fracção de segundos assim que senti a sua respiração perto dos meus.
E atrás de um simples beijo veio outro, e outro, e os nossos lábios entreabriram-se para que as nossas línguas dançassem juntas mais um vez.
-Tenía tantas saudades tuyas. – disse-me por entre beijos.
-Y yo… - disse já com a minha respiração acelerada, por entre os beijos fogosos que me deixavam ser ar.
 Os beijos dele passaram para o meu pescoço. –Pablo se no paras eso va acabar no cuarto! – disse-lhe enquanto fechava os olhos para apreciar o prazer que os beijos dele no meu pescoço me proporcionavam.
-Me gusta la idea. – disse voltando aos beijos.
Peguei nas taças e levantei-me, movimento ao qual o seu olhar acompanhou. Sorri-lhe e dirigi-me para dentro. Vi-o levantar-se e seguir-me. E eu fiz o meu caminho até ao seu quarto, sem evitar soltar um sorriso e espreitando por entre cantos e recantos, vi-o seguir-me minuciosamente com um sorriso atrevido estampado no rosto.
Pousei as taças na cómoda e tirei mais um morango que se desfez em segundos na minha boca deixando nela um sabor adocicado. Voltei-me para voltar a vê-lo com um sorriso no rosto e com os olhos cravados em mim. Caminhei até ele e empurrei-o suavemente obrigando-o a sentar-se na beira da cama. As suas mãos puxaram, automaticamente, o meu corpo para o dele, o que fez com que sentisse um surto de adrenalina viajar-me pelo corpo. Fiz com que o seu corpo se deitasse sobre a cama e logo de seguida o meu caiu sobre o dele. Os nossos lábios voltaram a encontrar-se num compasso ritmado de sabores e sentidos. As minhas mãos rapidamente escaparam por baixo da sua t-shirt. T-shirt essa que me aprecei a puxar para cima, e facilmente me livrei dela. Também as suas mãos procuraram a minha pele que já ardia pelo seu toque, mas não deixei que isso acontecesse. Parei de o beijar, e olhei-o nos olhos com um sorriso, um quanto ao tímido no rosto. Mais uma vez me deliciei com o seu maravilhoso e perfeito “tique”, um pormenor pequenino que ele tinha em passar varias vezes a língua sobre os lábios e isso deixava-me completamente maluca. Mas hoje eu ia ser forte e não me ia deixar levar.
Saí de cima dele e pedi-lhe que se virasse. E sem fazer perguntas assim o fez. Sentei o meu corpo ligeiramente abaixo do seu tronco e as minhas mãos traçaram um percurso sobre as suas costas, pressionando cada pedacinho de músculo e fazendo pequenos círculos na zona das clavículas. Sentia-o tenso, mas com a massagem foi ficando descontraído. Conseguia ver o sorriso no seu rosto pelo que eu estava fazer. Isto sim era algo novo. Eu nunca tinha feito nenhuma massagem a nenhum homem assim. Fartava-me de afazer a amigas que elogiavam o meu dote para tal, mas nunca o tinha feito em situações do género e sinceramente nem sei como me lembrei de o fazer, mas sabia que ele estava a gostar.
E quando acabei tracei uma linha de pequenos beijos que lhe dei levemente sobre as costas. Finalizada a massagem saí de cima dele e deitei-me ao seu lado.
-Que bueno. – disse-me com um sorriso maravilhoso nos lábios.
-Me quedo contenta por te gustares.
Desviei o meu olhar para o tecto e sorri. Por um dia tinha conseguido esquecer o stress do trabalho o facto de ir estar mais 3 meses longe dele e das pessoas que amo. O facto de não acordar todas as manhas naquela cama. De não poder estar lá para apoiar a Sara quando fosse preciso. De falhar os jogos do meu glorioso. Ele era capaz disso. De me fazer abstrair de tudo e focar-me apenas em nós os dois
Mas o meu pensamento foi invadido pelas suas mãos que fizeram o meu rosto olhar para o dele e rapidamente os seus lábios sentiram os meus, a sua língua tocou na minha, as suas mãos viajaram por baixo do meu vestido, as nossas respirações aceleraram, e numa troca de palavras, gemidos e orgasmos, voltamos a fazer amor.
(…)
Enrosquei o meu corpo num lençol e dirigi-me a cozinha para preparar algo… Tirei duas massas com atum pré preparadas do congelador, coloquei-as no microondas onde e em 5 minutos estavam prontas.
Juntei-as num tabuleiro com dois copos com água, talheres e guardanapos e voltei a quarto, enroscadíssima no lençol e com o tabuleiro nas mãos, dando o meu melhor para que nenhum dos dois se estatelasse no chão.
Quando voltei ao quarto lá estava ele, maravilhoso como sempre, para variar um bocadinho. E sinceramente estes meus pensamentos toscos fizeram um sorriso soltar-se no meu rosto, o que fez iluminar outro sorriso no rosto dele.
Jantamos, trocamos carinhos e vimos tv. No fim acabamos por adormecer de novo naquela cama. Naquele local que há muito tempo deixou de ter apenas o seu cheiro para passar a ter o cheiro de ambos. Quarto que guardava sob quatro paredes, a juras de amor, os gemidos, o amor, os sorrisos, as palavras trocadas.
E por mais uma noite na minha vida voltei a adormecer, naquele quarto, coberta pelos lençóis daquela cama, com um sorriso no rosto e envolvida no corpo do Homem da minha vida.


Novo capítulo para todos os leitores e obrigado por contiuarem a seguir a minha fic :)

Espero que gostem!

tags:
sinto-me: u.u
música: zaho - kif'n'dir
link do postPor pablitoaimar, às 11:06  comentar

De Solange a 29 de Dezembro de 2010 às 16:01
Gostei :D

Como sempre está espectacular!

Beijinho e continua

De sofiarc ॐ a 30 de Dezembro de 2010 às 20:02
este capítulo está FABULÁSTICO *-*
quero mais, Jane ^^
beijinho

De Cinefreak a 6 de Janeiro de 2011 às 23:45
Olá, bem andei a ler a tua fic e tá linda de morrer! É muito real, parece que estamos realmente lá :p
Espero anciosamente o próximo!
Beijinhos

mais sobre mim
●▲■▼
chat
ⓐⓘⓜⓐⓡ
Image and video hosting by TinyPic
Image and video hosting by TinyPic
Image and video hosting by TinyPic
Image and video hosting by TinyPic
Image and video hosting by TinyPic